Como você se sentiria se entrasse em uma churrascaria dessas bonitonas, que tem uma foto quase comestível de uma picanha suculenta, com aquela farofinha do lado, mas descobrisse depois que eles só servem salada? E se só tiver carne de porco e asa de frango? E se você ficar 2 horas esperando a carne e o garçom só for na sua mesa com linguiça? Será que sou só eu que vou ficar ”indignada”?

angry millie bobby brown GIF by Stranger Things

Tem hora que eu acho que o marketing tem o mesmo efeito. E pior, parece aquela história do Pateta: Senhor Andante x Senhor Volante.  O sujeito, enquanto consumidor, quer marcas honestas, quer saber o que está comprando e ter garantias do que vai encontrar quando clicar naquele link. Ele deseja que os produtos no interior da loja sejam condizentes com os da vitrine, em estoque, preço e qualidade. Mas, esse mesmo sujeito, quando vai dirigir um negócio, quer atropelar todo mundo com imagens fakes, campanhas publicitárias enganosas e claramente voltadas para caça-cliques. Para que? Por que?

Não minta para si mesmo achando que movimento na loja, curtidas no Facebook e Instagram e clicks em anúncio são as únicas soluções para o marketing do seu negócio. Boas experiências de consumo são a melhor ferramenta entre as que sua empresa pode dispor. Sério! O boca a boca ainda é a mais eficiente estratégia, com uma boa notícia: podemos potencializar muito com boas técnicas de marketing.

A tal churrascaria não perdeu apenas você como cliente, ela vai deixar de receber todos os amigos que você tiver a chance de contar sobra a tragédia do atendimento e todos os que verem seu post raivoso nas redes sociais. E a partir daí, todo aquele dinheirão que eles gastaram em anúncios e posts bonitinhos, com imagens de produtos que jamais terão e que foram compradas em arquivos da internet começam a trabalhar contra a marca, e não a favor dela.

E sabe o porquê o efeito é negativo? Porque quando você tenta empurrar um produto ou serviço pela goela abaixo de alguém que não precisa nem quer ele, você não está fazendo marketing, você está praticando coação e o marketing não é isso! Marketing é persuasão e convencimento, ou seja, sua marca como a melhor alternativa para quem precisa ou quer o que ela oferece.

Assim, se você vende salada, procure o seu público, trabalhe para quem gosta de salada ir no seu restaurante. E agora o mais importante: cuide bem do seu cliente! Faça sempre com que se sintam especiais. Avise-o antes das promoções, ofereça descontos exclusivos, ensine um tempero especial para que ele tenha a experiência de fazer em casa um prato que gosta muito. O seu cliente é o seu melhor amigo!

Outro bom argumento para te convencer de que estou falando para o seu próprio bem: é significativamente mais barato manter um cliente e aumentar sua cartela de consumidores com a indicação deles, do que obter novos clientes. E se houver um desgaste da sua imagem com quem já consumiu seu produto, a coisa fica ainda pior para aquisição de consumidores.

 

Lições do dia:

1 – Não use o marketing para mentir, o feitiço cai contra o feiticeiro;

2 – Tem sempre um público que vai curtir seu produto, encontre-o;

3 – Perder cliente sai caro. Cuide dele!

4 – Seja persuasivo, nunca coativo;

5 – Sr Andante e Sr Volante é coisa de Pateta. Tenha empatia ao dirigir um negócio!

 

Dani Klein – Chief Executive Officer (CEO): Comunicóloga, com habilitação em Jornalismo, especializada em Energia e Meio Ambiente, e pós-graduada em Marketing. Experiência em Gestão de Imagem, Planejamento de Comunicação, elaboração e execução de Programas de Comunicação Socioambiental e de Relatórios de Impacto Ambiental (Rimas). No mercado há mais de 10 anos, já atuou em redação (editoria de Economia), na assessoria de órgãos públicos e na iniciativa privada. Pós-graduanda em Gerenciamento de Crise. Certificada em Inbound.